Omninvi :: Invii demanda sapientia

Um doidivanas mostra o seu saber por intermédio das palavras e um pouco da imagem. Poemas, opiniões, revisões. Uma mistura de sociedade e tecnologia. Com temáticas conforme me vou lembrando de escrever.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Cucujães 33, O PPV!

Sem comentários

E já não escrevo faz algum tempo, ao torneio aberto de cucujães o ano passado faltei, no anterior tinha amado, este vai a pouco mais de meio e já deu fruto de satisfação suficientes para estar a amar, isto no meu total, se seleccionar e filtrar para equipa podia não achar satisfatório, contudo isso só amanhã se sabe por isso não coloco em análise. A análise do dia traz momentos fantásticos. Início da sessão do dia, jogo com um adversário de apenas sete anos. Tenta uma linha complexa para a idade, mas ele não tem essa noção quer explorar e tentar linhas como é normal e ainda bem que o faz e tem vontade em explorar ideias, contudo sendo uma linha jogável mas difícil dá uma peça! Bufa e continua o debate sem se curtar! Quase ao fim tendo eu já praticamente mate imparável sem grande cálculo ele encontra a melhor linha, impede mate já e ameaça ele mate! Fui surpreendido pois como não tinha calculado tive que o fazer, era imparável e ele perde e a mim fascina - me como ele com a idade que tem vê e resolve as ameaças que lhe aparecem, eu na idade dele tinha aprendido a mover as peças e saber as regras nada de teorias nem torneios, jogava com quem aprendi, um amigo da primária e claro mudou tudo ter entrado para um clube, mas isso só perto dos doze. A partida acaba rápido e subo a um café onde já tinha estado à dois anos. Vou tentar subir as escadas como à dois anos e deparo com um muro a meia escadaria e depois outro no fim! Aluimento de terra! Tornou - se perigoso?! Acabei por saltar os dois muros para explorar um pouco e fiquei com a dúvida sobre como poderá afectar a estrutura do edifício! Sigo para o café pensado e a interrogativa de poder estar fechado morre, e além de estar aberto, fiquei surpreendido pela estabilidade, fui atendido pela mesma cara simpática de à dois anos e mais surpreendente o mesmo corpinho, café estável, empregada estável, Internet também disponível e um dos amigos e colegas de equipa ouve - me e chama - me, convenço-o em vir para fora, para a esplanada para poder fumar, ele questiona se tem Internet eu digo que sim, e como isto foi já quando pedi o segundo café já sabia que sim pois estava lá fora entretido do meu jogo de cartas virtuais. Houve um momento à geração dedo, eu no meu jogo e ele a tentar ganhar dinheiro no poker, na mesma mesa pouca distracção, mesmo assim quando tento frisar que posso estar a quebrar - lhe a atenção ele afirma que não, estava mesmo a perder por jogar e calcular mal, afirma cansaço. Paramos os tablets quando ele acaba com o poker, e só na conclusão final admite que havia o momento de admitir o agora não e foi preciso perder dinheiro para parar. Estivemos num debate ideológico e as duvidas eram sempre do ego, ele não se quer saber na possibilidade do não ego, ele quer um super ego, um ego tão forte e tão capaz que consiga anular o desejo e o sentimento e consiga estar bem, ou seja a anular o desejo então falamos na capacidade de reprimir e não sofrer, e saber reprimir às vezes é útil mas cuidado que se se reprime o animal muito tempo ele estoura. Tentei fazer vê - lo isso que viver é ter prazer e dor, o saber gerir é saber viver, dizer que só se tem uma das partes é enganar, não é total. E ele como homem consegue certas satisfações fácil, mas com a idade estas podem se perder fácil. A vida é insegura e subtil, a segurança é uma ilusão da mente e prende, o animal viveria simplesmente. Não lhe pedi para ser o animal, porque ele total é tudo, o animal e o racional. Contudo ele prendeu - se à ideia que pode ser só o ser racional e dar-se bem com isso, esquecendo que ele é 99% animal e 1% racional! Dei - lhe a analogia de estar a tentar remar contra a maré e na insistência claro que aceitei a excepção, mas interroguei - o se quer ser uma delas! A totalidade torna - se mais fácil aceitando o animal como ele é, e ir gerindo quando não ser animal é a mestria, mas reprimir vai ter sempre consequências. Quando o ego fica convencido da existência da possibilidade o momento torna - se gargalhada pois não existe problema afinal nenhum, ele o ego não tem necessidade de morrer. Então rimos do rei que ao saber que sua esposa tinha caído ao rio, vai a correr em seu socorro, para espanto do povo o rei começa a nadar rio acima, muitos estavam a gritar e tentar que o rei fosse rio abaixo para a foz, para onde possivelmente sua rainha tinha ido, ele parou e disse, estão loucos a minha mulher conheço eu! A risota foi o fecho e viemos para a zona do torneio. O resultado foi o esperado, perdeu, o acusar de cansaço evidenciou - se, fiquei foi surpreendido com a postura desistente, nem queria já competir no dia a seguir! Não aconteceu e por equipas ganhamos o torneio. Enquanto ocorreu este jogo tive eu mais uma situação engraçada! Com três pontos tive acesso a um bye, ou seja ganhei sem jogar, situação não muito comum para quem tem dois pontos! E em consequência voltei à esplanada do café fiquei um pouco no meu jogo e a sair já tinha ouvido um pouco do diálogo de dois seres, um parecia claramente iluminado e o outro quando iniciou teorias de conspiração eu aproveito para brincar. A introdução foi aceite e falamos um pouco mais e bom diálogo, foi partilha de experiências de vida e aí um deles bate - me bem pois eu em muitos pontos sei e ele sabe porque experienciou eu apenas tenho saber adquirido em alguns dos temas, contudo quando se terminou em ideologia já a sair da experiência e prática eu faço uma afirmação válida apenas aí em plano ideológico, contudo nessa afirmação de termino começa a minha tristeza, pois estava bem contente em encontrar alguém terra a terra, realista e humano e a alguém parece servir de carapuça o que foi dito. Tínhamos terminado e claro já estava a ver que a interrupção ia ser negativa e claro na exploração do quanto lá começo por perguntar o que disse e não foi capaz de me responder! Entendi logo o que se estava a passar! Ele entendeu e está a aceitar uma provocação inexistente, ele nem sabe o que foi dito mas quer já ficar preso à afirmação e debater por aí. Eu fui ainda mais manhoso, visto que não tinha ouvido direito a afirmação eu vou omitir um pormenor e fico no mais sintético possível afirmando novamente mas desta vez apenas fica: Políticos, Padres e Vendedores não são necessários. Ele aceitou a provocação, é um dentro das classes apresentadas, da classe com menos poder das apresentadas, um vendedor, uma profissão dentro das apresentadas como sendo a mais fácil de eliminar, uma profissão que existe para dar ganha pão, pois o humano tem que sobreviver, na realidade nenhuma das apresentadas é necessária esta é a afirmação total o acrescentar na realidade, mas qual realidade? A realidade ideal, estávamos em plano ideológico, mas este vendedor não sabe o que falamos antes e nessa ignorância ele começa a bater - se que ele vendedor é um elemento necessário e essencial. Mostrou um perfil de vendedor relativo, e começaram as falhas típicas do básico. Avisei - o logo para não aceitar a provocação, não conseguiu e um amigo e pelos vistos primo avisou logo que ele não sabia o que tínhamos falado. E claro não aceitou a recomendação do amigo e primo iluminado e comete erros normais de básico. Sem argumentos aponta o dedo ao meu ser, o eu ser um ser fumador! E a tentar mostrar poder de argumentação tenta afirmar que disse uma falácia e quem as cometeu foi ele, pois a minha afirmação não é falaciosa, contudo quando brinco com o elemento comum das classes que apresentei, facilmente todos foram ao enganar e à mentira e aí ele faz duas afirmações! Uma para os outros dois pois estavam no tema do engana e ele diz: Vocês gostam de ser enganados. E ia intervir nesta falácia mas ele aumenta - a e visto que ao fazê-lo se inclui, mesmo inconscientemente, não o faço. Ele acrescenta, Os Portugueses gostam de ser enganados. Ninguém gosta de ser enganado e infelizmente todos somos ao longo da vida, considera - se já parte do processo, mas não devemos tolerar, nem aceitar, contentar - se que nada se pode fazer é um problema e não ajuda na solução. E a conversa termina com o vendedor a achar que venceu o debate, eu sou um ser falacioso e nem consegue reafirmar o que eu disse, e deixo ficar com as suas últimas palavras, vim aqui para ver o Benfica não para discutir, esquecendo - se que foi ele que provocou tudo aceitando uma provocação que nada lhe devia ter feito, contudo o poder da palavra na mente é forte e alterou os dois estados de espírito, pois estava alegre, mas básicos deixam-me quase sempre triste, contudo, a excepção é tão boa que fico extremamente contente quando ela ocorre, não foi o caso, mesmo avisado continuou e dois avisos seria suficiente, um de um desconhecido e tão directo ainda admito que tenha ignorado, mas de um amigo e primo?! Fiquei triste, mas é sempre assim não posso ter só alegrias no dia era bom de mais, contudo adepto de carpe nunc a tristeza durou pouco, apenas comprovei a suspeita, mais um básico e foi carpe diem com intensidade acima da média, o que me leva a continuar a amar ir a cucujães, este foi já o 33o, do torneio português mais antigo, onde a minha prestação vai sendo regular, meio da tabela, apesar de neste o último jogo ficar marcado por erro teórico que não devia já cometer, não ficando melhor qualificado por isso, demasiada confiança e pouco pensar na abertura deu em derrota, não ficando assim no top dez, como aconteceu com os elementos da equipa que para ela pontuaram, estes bem melhor pois foi segundo, terceiro e quarto, o primeiro ficou por um fio.