Omninvi :: Invii demanda sapientia

Um doidivanas mostra o seu saber por intermédio das palavras e um pouco da imagem. Poemas, opiniões, revisões. Uma mistura de sociedade e tecnologia. Com temáticas conforme me vou lembrando de escrever.

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

app2sd no meu Android favorito: o Optimus Boston

Sem comentários
Introdução
Neste tutorial ensino a fazer app2sd, aplicações para o cartão, com o firmware original.
A parte mais complicada deste processo é o preparar do cartão SD, isto porque precisamos criar uma partição para dados e outra para as aplicações. Para particionar o seu cartão lei-a, preparando o cartão sd.

Nota:
Para finalizar este tutorial é necessário ser root do telefone, se ainda não é dono do seu Android, então leia o meu artigo, ser root do Android.

Depois de ter o cartão particionado:

Faça a transferência do link2sd do Market.
Arranque com o link2sd:

Seleccione o tipo da segunda partição.


Reinicie o telefone e depois volte ao link2sd se ele não vir a mensagem de cima então é porque o script de arranque foi instalado com sucesso.
O link2sd acrescenta no ficheiro install-recovery o seguinte:

Sem flashar uma system.img acaba por ser o melhor local para o colocar o script, mas bem era no rc.local (o autoexec.bat do linux) mas não é possível sem flashar uma imagem de sistema, pois este encontra-se na área de  sistema que é sempre flashada para a RAM sempre que iniciamos o telefone.
Ficamos então na zona do utilizador (/data) com uma pasta de nome sdext2, esta pasta é onda a nossa partição ext3 é montada. 
Com a instalação do link2sd podemos gerir as aplicações que colocamos para o cartão e as que não. Mas não fico por aqui pois com muitas aplicações o dalvik-cache fica enorme e ocupa muito espaço em /data.
Neste tutorial apenas uso o link2sd para criar o script pois é a forma mais simples, se desejar mover todas as aplicações para o cartão, incluindo o dalvik-cache continue, senão este tutorial terminou para si, fica agora em suas mãos decidir quais as aplicações que vão para o cartão e quais as que deixa na memória interna (estas serão mais rápidas).
Se decidiu continuar vamos lá fazer mais uns ajustes.
Desinstale o link2sd, só queria o script e este fica criado mesmo depois da desinstalação.

Abra uma linha de comandos para adb (ver usando o Boston por adb)
Vamos então criar os links para o cartão.



Criamos as pastas no cartão:

# mkdir /data/sdext2/app
# mkdir /data/sdext2/dalvik-cache

Copiamos o actual conteúdo das aplicações para o cartão:
# busybox cp /data/app/*.* /data/sdext2/app

Apagamos a pasta app e o dalvik-cache:

# rm -r /data/app
# rm -r /data/dalvik-cache

Agora vamos criar ligações simbólicas para o cartão:
# ln -s /data/sdext2/app /data/app
# ln -s /data/sdext2/dalvik-cache /data/dalvik-cache




Se executar o comando ls -l vai ver como em cima a pasta dalvik-cache e app com um simbolo -> a apontar para o cartão.


Agora podemos mandar o telefone reiniciar :)
# reboot


Depois do o telefone reiniciar está pronto. A partir deste momento todas as aplicações que instalarmos vão para o cartão de forma transparente. O mover do dalvik-cache é opção mas para quem vai fazer intenção de instalar muitas aplicações, acaba por ser obrigatório, com as minhas aplicações base instaladas o dalvik-cache ocupava-me mais de 90Mb motivo que me levou a movê-lo.
Podemos também fazer o mesmo com a pasta data mas não recomendo, pois com tudo para o cartão pode ficar muito lento, esta pasta é onde as aplicações guardam dados, assim elas correm do cartão mas estão a usar a memória interna para dados (dependendo da aplicação).

Se algo correr mal e o telefone estiver sempre em loop de arranque, enganou-se em alguma coisa!!!
Ligue-se por adb para corrigir o problema, faça uma listagem e verifique as ligações:
# ls -l /data
Se alguma ligação estiver mal criada, pode simplesmente apagá-a e voltar a criar outra o procedimento é o mesmo que indicado em cima.
Se não conseguir corrigir o problema pode sempre entrar em modo modo recovery (Vol_Cima+Camera+Power) e escolher wipe data/factory reset ou fazer um master RESET (Tecla vermelha+Camera+Power) e voltar a criar as ligações como indicado em cima.


E já está, temos o nosso Boston com o firmware original e com as aplicações para o cartão de forma transparente para o sistema.

Nota: este método traz o inconveniente que NÃO podemos remover o cartão SEM desligar o telefone, pois isso iria afectar o funcionamento de aplicações que estão a correr e perder os widgets. Ficamos na mesma com Armazenamento USB activo claro.

Alguma questão deixe um comentário. :)

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Preparando o cartão SD, particionar para app2sd

1 comentário
Particionando o cartão SD
Neste tutorial ensino a preparar o cartão SD para usar app2sd.
Para particionar o cartão escolha o método que se enquadre melhor ao seu cenário.
Eu recomendo o método 2, pois é o que limita mais a margem de erro, no método 3 modificamos a recovery do telefone, ou seja só flashando depois o firmware original é que voltamos a ter o Boston como de origem, contudo se quisermos ficar com a recovery temos uma mais completa que a original, de realçar que este método só foi testado para o Optimus Boston com 2.1update1, não use o método 3 num telefone fora da gama clone do Boston.

Método 1
Criar um CD-ROM ou PEN de arranque com linux e ir particionar o cartão SD a partir daí.
Use se tiver leitor de cartões, uma PEN 256Mb ou um CD-ROM.

Método 2
Nada de PEN, CD-ROM e nada de mexer na recovery original!!!
Vamos para o virtualbox, uma caixa virtual à maneira e gratuita, precisamos do leitor de cartões na mesma.

Método 3
Flashar uma recovery no Boston que permita a opção de particionar o cartão SD.
Use se não tiver leitor de cartões. Usamos o próprio Boston :)






Método 1

O site do Gparted fornece bastante informação mas está em inglês, então aqui vai uma pequena ajuda:
Opções com PEN ou CD-ROM
  • Com PEN

    • Clique aqui para ir para a zona do live-usb
    • Faça download do Tuxboot, este utilitário vai fazer o download da imagem e preparar a PEN USB sozinho, com pouca intervenção humana :)
    • No Tuxboot selecionamos: gparted-live stable

    • Esteja atento na opção Drive se a letra corresponde à PEN-USB que pretende instalar.
    • Clique Ok
    • O tuxboot terminou e pede reboot, lembre-se que tem que ter a opção de arranque na BIOS para USB, algumas BIOS permitem seleccionar a opção de arranque logo no inicio sem termos necessidade de fazer alterações.
    • Avance para o tópico: Usando o Gparted
  • Com CD-ROM
    • Clique aqui para ir para a zona de download da versão CD-ROM (live-cd)
    • Faça download do ficheiro gparted-live-0.11.0-10.iso (121.1 MB)
    • Use a sua habitual ferramenta de gravar CD para gravar a imagem num CD-ROM, se não tem nenhuma pode usar o Free ISO Burner
    • Depois de gravado, reinicie a máquina com a opção de arranque de BIOS para CD-ROM, algumas BIOS permitem seleccionar o modo de arranque.

    • Avance para o tópico: Usando o Gparted

Método 2

Este método ensina a usar a virutalbox, uma ferramenta gratuita que nos permite criar máquinas virtuais no ambiente Windows, assim vamos conseguir usar o gparted no Windows por intermédio de uma máquina virtual.
  • Se quiser saber mais sobre a virtualbox pode obter informações aqui. Para fazer o download directo pode fazê-lo aqui Virtual Box x86/amd64 (esta é a versão para Windows)
  • Depois da transferência instale.
  • Agora vamos fazer a transferência do Gparted versão de CD-ROM, Clique aqui para ir para a zona de download da versão live-cd, faça a trasferência do ficheiro iso.
  • Agora vamos configurar a máquina virtual para arrancar com o ficheiro iso:
    • Criar uma nova máquina virtual, aparecerá o assistente:
    • Depois de introduzir os dados acima faça Next
    • Na memória deixe as configurações padrão e faça Next


    • Não crie um disco virtual, e clique Next, aparecerá um aviso que a máquina não arrancará sem disco, não se preocupe, configuramos o disco mais tarde, pois no assistente ele não reconhece a iso que pretendemos.
    • Faça Create e a maquina virtual aparece do lado esquerdo como desligada.
    • Com o botão direito faça definições sobre a maquina que acabamos de criar (Gparted_vm).
    • Nas definições vamos para armazenamento e depois do lado direito nos atributos vamos clicar no cd-rom que nos dará a opção de escolher um CD/DVD Virtual.
    • Seleccionamos Escolher um CD/DVD Virtual e vamos então dar o caminho do nosso ficheiro iso que tem o gparted


    • Faça Ok, configuramos o USB depois.
    • Selecione a máquina virtual e clique em Iniciar, a maquina virtual arrancará em outra janela.
    • Aguarde um pouco, este processo demora um bocado.
    • explicar modo terminal...

    • Se ainda não o fez, ligue o seu leitor de cartões e coloque o cartão SD.
    • Neste momento o Gparted não reconhece nenhum dispositivo, temo que activar o USB Mass Storage Device. Em Dispositivos->Dispositivos USB->Generic Mass Storage Device



    • Faça Gparted->Actualizar dispositovos
    • O Gparted já deve reconhecer o cartão SD que se encontra no leitor de cartões.




    Usando o Gparted:




    Tanto no método 1 como no 2 usamos o gparted (Gnome Partition Editor), assim ficam aqui algumas dicas de como particionar o cartão SD com esta ferramenta gratuita.
    Com o método 2 existe menos possibilidade de erro, pois só montamos o SD ficando com o dispositivo /dev/sda, No caso do método 1 temos que identificar qual o dispositivo em que está o cartão SD, pois o gparted  deve ter encontrado mais que um dispositivo /dev/sda, /dev/sdb, /dev/sdc, etc. Podemos chegar lá pelo tamanho e pelas partições que encontramos em cada dispositivo. Por norma será /dev/sdc ou superior. Se desejar saber mais sobre partições linux clique aqui.
    O tamanho dependerá do tamanho do cartão disponível, recomendo pelo menos 25% para aplicações e o resto para dados. Ou seja num cartão de 2Gb temos entre 500 a 600 Mb para aplicações e o resto para dados. Mas claro tudo depende da utilização, então se não faz intenção de usar muitas aplicações pode aumentar o tamanho da partição de aplicações.
    Depois de identificado o dispositivo correcto então vamos particioná-lo:
    Apague todas as partições, para isso clique com o botão direito em cima da partição e escolha apagar.




    Vamos criar primeiro a partição Normal FAT32:




    Depois de escolhido o tamanho e o tipo de partição fazemos Add.
    Agora seleccionamos o espaço não alocado e vamos criar o resto do espaço em ext3:




    Faça Add.
    Temos as partições criadas mas ainda não aplicamos realmente nada.
    Faça Apply. O Gparted pergunta se temos a certeza que queremos aplicar e dizemos que sim.
    Pronto e Gparted começa a trabalhar e no final temos as partições criadas.




    O cartão está particionado.
    Agora volte a repetir as operações mas para formatar cada partição.
    Em cada partição indique ao gparted para a formatar no respectivo formato e depois clique em Apply.


    Temos agora cartão pronto.

    Dica: Se tiver dados no cartão e quiser arriscar só a dimensionar a partição fat32, e criar a ext3 no espaço final pode fazê-lo, experimentei e não perdi dados, mas é sempre um risco e é bom salvaguardar os dados na mesma.

    Nota: Não podemos particionar primeiro a partição para aplicações pois isto iria baralhar tanto o Windows como o Android que tentam montar a primeira partição para dados. Experimentei com este Kernel particionar em ext4 mas falhou por isso use ext3.


    Método 3


    Fazer a transferência da recovery clockmod v2.5.1.0 compatível com o z71 e o boston, aqui.
    Fazer transferência do Android SDK, para termos acesso ao fastboot, escolha o instalador para Windows.
    Instalar o Android SDK.
    Abrir uma linha de comandos, digitando cmd no menu iniciar.
    Colocar o Boston em modo Fastboot (tecla vermelha+volume baixo+power)
    Ligar o cabo USB e já com o Boston ligado fazer:
    > fastboot devices
    Deverá aparecer:


    Para flashar a recovery fazemos:

    >fastboot flash recovery clockwork-z71.img

    Se tudo correr bem, acontecerá como na imagem:


    Neste momento temos o Boston com a nova recovery.
    Remova a bateria e inicie o Boston em modo recovery (Camera+Volume Cima+Power)
    deverá aparecer como indicado:

    Senti alguma dificuldade em selecionar a opção advanced, pois o cursor andava muitas vezes de dois em dois, mas com alguma paciência vamos lá. Selecionar a opção advanced.
    E depois aparece a opção Partition SD Card:

    Particione o cartão com os tamanhos que mais se ajustam ao seu cartão e pode colocar a swap a 0.
    Um exemplo para um cartão SD de 2Gb será:
    Ext Size -> 512Mb
    Swap Size -> 0M
    E já está temos, finalmente, o cartão particionado :) 
    O cartão ficará particionado como mostra a imagem:

    Particionamento Automático
    Tive o cuidado de imaginar vários cenários possíveis para poder particionar o seu cartão SD e testei tudo com um Windows7 32bit e um Optimus Boston 2.1update1.

    quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

    Salvaguardar aplicações, um método por adb

    Sem comentários

    Salvaguardar aplicações para o PC

    Neste artigo mostro como fazer uma cópia de segurança das aplicações que estão no telefone, não se pode considerar que seja um método infalível, pois depende muito da aplicação e do que fazemos no sistema.

    Ao fazer root com o Z4Root ele instala o busy-box o que nos possibilita o acesso a alguns comandos que sem root e sem busy-box não teríamos, como por exemplo uma simples cópia.
    Se não fez root com o Z4Root, pode sempre instalar o busy-box à parte.

    Para fazermos uma cópia das aplicações para o cartão podemos usar o busy-box por adb:
    Se não souber ligar por adb lei-a, ligar o Boston por adb.
    Em adb execute execute os comandos:

    mkdir /sdcard/apks
    busybox cp /data/app/*.* /sdcard/apks/

    Ficamos com as aplicações no cartão SD, agora copie através do Windows a pasta apks para o PC.

    Para restaurá-las para o telefone.
    Copie através do PC a pasta de aplicações para o cartão SD.
    Depois em adb copie para a partição de aplicações (caso app2sd) o conteúdo dessa pasta:



    Para restaurar as aplicações:

     busybox cp /sdcard/apks/*.* /data/app

    Algumas aplicações podem não funcionar, pois podem faltar bibliotecas no sistema para elas funcionarem se for esse o caso re-instale a aplicação normalmente através do Market, isto acontece se tivemos necessidade de um Master RESET, caso contrário como não mexemos no sistema tudo deve funcionar bem.

    terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

    Ligar o Boston por adb

    Sem comentários
    Para ligarmos ao Boston por adb.


    O firmware original vem com uma partição que monta um CD-ROM virtual onde estão os drivers e podemos sincronizar dados com o PC, se não temos instalado o Android SDK, podemos na mesma aceder ao Boston por adb quando esta ferramenta está activa.
    Tome nota da letra da unidade que foi montado o CD-ROM e abra uma linha de comandos.
    Neste exemplo tomo como letra da unidade a F:
    No menu Iniciar escolher Executar e escrever:
    cmd <ENTER>
    Depois escrever:
    f: <ENTER>



    Agora é só escrever:
    > adb shell <ENTER>
    Ficamos com uma linha de comandos com um #
    A partir daqui podemos executar comandos para o Android como root, se estiver a ver um $ ainda não está root do telefone, ou não deu permissão ao su (na 2.2 pediu-me) neste caso faça:
    $ su -i
    No telefone o gestor su deve aparecer e para ter root deve dar permissão, depois disso o prompt deve mudar para #
    Se quiser saber mais sobre adb visite o link oficial sobre Android Debug Bridge.

    segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

    Optimus Boston :: de volta às origens, instalando a firmware 2.1update1 Original

    2 comentários


    O motivo:


    Com a transferência original podemos não conseguir actualizar o Boston se viermos de um firmware não original, assim com este tutorial eu ensino como ir buscar o firmware original e "flasha-lo" com o SUT normal.
    Este procedimento é válido para qualquer firmware .nb0, neste tutorial vamos aplicar o firmware original 2.1update1.
    Assim tem sempre a garantia que consegue voltar a colocar o seu telefone de volta ao firmware original, ganhando mais confiança em instalar firmwares que encontra online ou alterar o seu actual, sabendo que se correr mal pode usar este método para voltar tudo à normalidade.
    Este processo demora aproximadamente 45 minutos, dependendo da velocidade da sua ligação.

    Requisitos:


    Windows XP/Vista/7, um descompressor de ficheiros como o winrar ou o 7-zip.


    Firmware Original, para transferir clique aqui, transfira a Actualização Sofware Android 2.1 para o Optimus Boston;

    SUT LR (Software Update Tool), para transferir clique aqui  (SUT 1.7.0), espere um pouco e clique em download grátis;

    Um explorador de MSI, para extrairmos o firmware original da instalação, pode obtê-lo aqui.

    Procedimento


    1. Instalar o SUT
    2. Extrair o lessmsi para uma pasta (temporária)
    3. Extrair o Firmware Original para a pasta (temporária)
    4. Executar o lessmsi
    5. Abrir com o lessmsi o ficheiro X86\Software Update Tool Setup.msi
    6. Procurar pelo firmware (se ordenar por tamanho será o maior, portanto o primeiro):


    6. Clique em extract, no canto inferior direito, com o ficheiro F0X-225B-0-4014-A01.nb0 selecionado.
    7. Abra o SUT LR faça avançar
    8. Indique ao SUT onde está o firmware ( o ficheiro F0X-225B-0-4014-A01.nb0)
    9. Na opção de actualização selecione: Apagar dados do utilizador




    10. Agora desligue o telefone e volte a ligá-lo em download mode (tecla vermelha+volume cima+power) fique a carregar nas teclas referidas até aparecer:


    11. Ligue o cabo USB ao computador.

    12. Agora repare que o SUT já reconheceu o telefone, clique em avançar

    Agora atenção não desligue o telefone nem remova o telefone do cabo e é bom que não falhe a luz durante este processo, senão terá de o repetir :) se conseguir :)




    Aguarde pelo flash, demora alguns minutos. O telémovel irá reiniciar sozinho, normal.
    o SUT terminará em erro, também é normal, NÃO faça continuar.



    13. O telefone em principio ficou desligado, senão desligue-o removendo a bateria. Faça um master reset, ficando a pressionar nas teclas: tecla vermelha+camera+power. Aparecerá no inico de ecrã a informação Master Reset juntamente com a imagem de arranque normal. Este processo inicial demora um bocado por isso seja paciente que falta pouco :)
    Neste momento já com o telefone na mão pode fechar o SUT :)

    O assistente de configuração aparecerá e já está de volta ao firmware original.



    Agora que ficou a saber como voltar com o telefone à normalidade, pode explorar sem medo outros firmwares, aproveite e guarde o ficheiro F0X-225B-0-4014-A01.nb0 pode vir a precisar dele mais tarde.

    E fim de tutorial, espero que lhe seja útil, este procedimento é válido para outros firmwares com imagem .nb0 considero ser o processo mais simples, mas perdemos toda a informação do telefone, os dados do cartão não são mexidos, por isso se vier de outro firmware é recomendado que se formate o cartão. No meu próximo artigo vou ensinar como acrescentar app2sd.

    domingo, 19 de fevereiro de 2012

    Religião religião!! Valerá a pena acreditar?

    Sem comentários



    É meu costume ler o The Guardian, hoje a religião veio à baila e despertou-me interesse, estive curiosamente a ler o artigo, What is the proper place for religion in Britain's public life?, uma espécie de diálogo entre Richard Dawkins, autor de The God Delusion e  , colunista do Observer.

    As palavras de ambos são muito ideológicas, ambos se preocupam em falar para massas e não atacam o problema, isto considerando o assunto um problema, pois considero qualquer religião um problema que afecta inconscientemente o indivíduo, um pouco também a opinião de Richard.

    Este afectar pode ser positivo ou negativo e originar  ruptura psicológica pois divide o indivíduo entre a ética e a moral. Ainda pior quando toma proporções colectivas, pois origina muitas vezes a conflitos violentos e desnecessários que não levam a lado nenhum, apenas a ferimentos e mortes. Seja qual for o conflito este só pode ser resolvido por palavras, não existe outra maneira, apenas o diálogo.

    A crença profunda, ou seja a fé, é a origem de muitos conflitos e quanto mais fundamentalista pior.




    Mas o que é a fé?

    A fé é um acreditar profundo em algo sem se questionar!




    E o que é acreditar?

    Acreditar é fazer a mente definir algo como verdadeiro, mesmo quando não é possível prová-lo.



    Ou seja em tempos modernos acreditar em Deus ou outra coisa qualquer que não consigamos provar é no meu ponto de vista psicótico. Pois se acredita em algo sem provas, que credibilidade ou moral têm o indivíduo!?

    Sei que pode ser revelador e dar uma força interior enorme ao indivíduo que concluiu que Deus não existe mas por mais válidos que os seus argumentos sejam ele nunca conseguirá provar a sua inexistência. O mesmo se passa no crente nunca conseguirá provar a sua existência, mas ele acredita, têm fé por isso não precisa provar nada!




    Em que ficar?

    O crente vai buscar força à fé, o ateu reconhece a força dele mesmo. Reconheço que o ateu é mais livre, mais dono de si e pelo que sei, mais conhecedor não só da religião maioritária da sua região, como outras, pois antes de se tornar ateu analisou vários pontos de vista, várias religiões.

    Assim defino que o ateu é mais livre mas talvez se esteja a esquecer da própria espiritualidade, o crente tem por assim dizer a sua espiritualidade conduzida por terceiros, será isto bom?!?! Bem se não tem capacidade para mais, deixa-se ir, torna-se um seguidor. E seguidores é o que os lideres gostam, e quanto menos reclamarem quanto melhor.




    O Problema!!

    Ser crente é na realidade deixar-se levar pelo incógnito, não questionar, não resolver as questões com clareza e realismo, ficar à espera que a solução apareça pela obra do "senhor".

    Para mim ter fé é sinónimo de ignorância, é colocar na mente verdades que podem não ser, sim porque a mente só aceita verdades então criou-se este método que depois de enraizado permite mais algumas definições que não ajudam a sociedade nem o indivíduo a evoluir de forma coerente e correcta, e estou a falar de definições como acreditar e esperança, definições que só são possíveis na mente de um crente. Estas definições não ajudam a evolução social porque corrompem o indivíduo diminuindo o seu relacionamento com pessoas de crenças diferentes e fazem-no "caminhar" na sua crença preferencialmente com pessoas da mesma crença, criando-se grupos na mesma sociedade que não se querem entender, nem tão pouco saber uns dos outros em que cada um acredita em coisas diferentes e depois mais cedo ou mais tarde o conflito! Quando na realidade a ideia é viverem todos bem e em harmonia, para quê a violência?!

    Na realidade as pessoas vão digamos que "tolerar", permitir, e depois acontece aquilo que eu faço analogia com um termómetro, vai subindo, subindo que depois estoura.

    Anda-se a vender a ideia de tolerância, mas os fundamentalistas não toleram, e na realidade não devemos tolerar muito, pois quanto mais adiamos mais fácil será da explosão ser violenta, quanto menos toleramos mais rápido resolvemos o que consideramos problema. Deve é ser feito por meio de dialogo antes que chegue ao ponto de palavras feias ou até mesmo violência.

    Para mim, qualquer mente que me transmita fé, acreditar ou esperança não tem qualquer crédito, pois está-me a tentar enganar com algo que na sua mente já é verdadeiro e não existe como provar, ou seja quando questiono os seus argumentos não credíveis e não devidamente fundamentados não obtenho uma resposta realista e coerente.

    Quando não existem factos não se devia fazer acreditar ou transmitir esperança, mas é nisso que os políticos e os religiosos são especialistas, em fazer acreditar.

    Eu prefiro manter a minha posição agnóstica neste assunto, pois a existência de Deus não me afecta e a sua inexistência também não. Nunca se irá provar nenhum dos lados, acaba por ser pura perda de tempo, mas os nossos antepassados eram crentes e assim a crença ainda está enraizada, principalmente nas pessoas que se vão deixando levar sem pensarem muito no assunto.

    Problema considero é ter-se uma ciência que ainda acredita, isso sim considero um problema gravíssimo, que as sociedades ditas evoluídas ainda não conseguiram resolver. Mas a ciência é humana, logo tem erros :) não nela mesma, mas da forma como é conduzida.

    Problema considero a ter-se uma dita democracia onde o povo não tem dados concretos de nada, onde se vende agora uma ideia de crise, onde se faz acreditar, onde se vende a ideia de esperança. Nem acredito nem confio nos meus actuais ditos lideres, mas também não votei para eles estarem lá por isso nesse aspecto estou tranquilo.

    E em torno do acreditar a bandalheira que muitos acreditam que está :)

    E você ainda acha que vale a pena acreditar?




    Philo Philos Pachem

    sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

    Ser root do Android

    Sem comentários


    Lembro-me de instalar o meu primeiro linux e quando fazia login no X como root ele aparecia com o ambiente de trabalho vermelho, motivo, ATENÇÃO! Sim ser root significa ter controlo total da máquina. Isto será bom?! Bem não é bom nem mau, é simplesmente assim, o recomendado da altura era fazer uso como um utilizador normal e sempre que queria alguma tarefa que precisava de root, eu dava essa permissão na hora. Assim em caso de engano corria menos riscos de danificar o sistema.
    Nos Android é igual, normalmente não temos necessidade de ser root, mas caso queiramos uma tarefa que dessas permissões necessita, existe uma aplicação o su (super user) que gere estes privilégios, claro está que ele só funciona em máquinas que estão com o root activo, funcionabilidade que os fabricantes e as operadoras não disponibilizam. Existe sempre a ideia de querer controlar a máquina por ambas as partes hehe é engraçado, o operador dá-se ao trabalho de construir um sistema fechado (como se isso fosse bom) de forma a garantir não sei muito bem o quê?!! Segurança?! O utilizador por outro lado vê-se obrigado a procurar maneiras de "abrir" o sistema de forma a poder executar algumas tarefas que lhe podem melhorar o funcionamento da máquina.
    "Rooutear" um telefone é uma tarefa avançada. Querer ser root do telefone (Administrador) é normal em utilizadores avançados que querem mais da máquina. Normalmente fazem uso de aplicações que necessitam desta funcionabilidade activa.
    Existem aplicações que necessitam deste privilégio para terem acesso a certos comandos que só como root é possível, comandos esses que possibilitam pequenas modificações com o intuito de melhorar o funcionamento da máquina, como por exemplo definir como queremos o processador no momento, se para gastar mais e termos mais performance, ou gastar menos para poupar a bateria.
    Não existe nenhum problema num sistema fechado! Para um utilizador comum até é melhor. O problema é que não existe suporte como deve ser ao sistema que rapidamente fica desactualizado, e um utilizador avançado que está normalmente atento a estas actualizações e quer tornar o seu sistema mais actualizado vê-se obrigado a mudar de sistema. Aqui vemos a vantagem de um sistema aberto, onde todos podem desenvolver e assim acaba-se por conseguir actualizar o sistema. Claro está que um firmware não oficial é sempre duvidoso, pois se ele trouxer algum exploit, trojan ou qualquer outro software malicioso, não podemos apontar o dedo a ninguém, apenas podemos mudar de sistema, as informações que ele recolheu e enviou bem aí não podemos fazer nada.
    Nos firmware customizados normalmente já somos root, mas para os firmware de origem existem pequenos programas que conseguem explorar fraquezas no sistema e torná-lo root.
    Existem Android em que o processo de se tornar root é amigável e está pensado, tornando-se uma tarefa simples de executar. Mas como nem sempre é assim existem pequenos utilitários que conseguem aproveitar erros no sistema fechado que vão permitir a tarefa de sermos root. Um dos meus favoritos é o Z4Root, mas já saiu do mercado! Normalmente é o que acontece a este tipo de software, desaparece do Market, mas consegui encontrá-lo na web, podem descarregá-lo aqui (link directo), ou no mirror da MediaFire.
    Assim se não queremos trocar de sistema e apenas queremos fazer algumas modificações estes softwares são o utilitário ideal para o assunto. Testei o Z4Root no Optimus Boston 2.1 e no A5 Sapo 2.2 funcionou na perfeição.
    Mas Routear para quê?
    Uma das grandes vantagens de ser root é que podemos remover aplicações indesejadas que o fabricante instalou na área de sistema (junkware), e também fazer algumas pequenas modificações que à partida vão melhorar o funcionamento da máquina, como por exemplo fazer app2sd (aplicações para o cartão) que anula a limitação de aplicações. Por norma só temos a memoria interna do telefone para aplicações, o que  limita bastante o numero de aplicações que instalamos.
    Podemos também fazer uma cópia de salvaguarda de todas as áreas do sistema, ou seja o verdadeiro Backup total. Customização total, até aos icons de sistema :)
    E perco informação?
    Dependendo do equipamento e método pode obrigar à limpeza dos dados do utilizador (/data), no caso do Boston e do A5 Sapo usei o Z4Root que obtém root por exploit e pelos testes que fiz não perdi nada.

    Se quer optimizar a sua máquina Aventure-se :)


    terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

    Namorem mais um dia! Hoje! :)

    Sem comentários






    Hoje o dia marcado

    para deliciarmos o ser amado.

    Não para surpreender,

    pois é dia esperado!

    Só se acontecer,

    do amado esquecer!

    A tal inesperado,

    torna-se esperado,

    um mau responder.

    E para não acontecer,

    o que é que hoje vai fazer?

    E se ninguém tem para a amar,

    então é hora de procurar.



    Philo Philos Pachem


    Até por acaso

    segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

    Análise ao firmware Original do Optimus Boston a 2.1update1

    3 comentários

    Quase logo que comprei o Boston que troquei o firmware para um customizado. É muito normal termos a sede pelo recente, o actualizado. Assim tinha um amigo que já tinha "martelado" o dele, e fiquei deliciado com o que vi. Desde então que me divirto de vez em quando a trocar o firmware e dar uma espreitadela para o trabalho demoroso e penoso de construir uma firmware customizada. Posso desde já adiantar que não existem firmwares perfeitos, e já encontrei trabalhos que merecem a pena analisar, mas uma coisa de cada vez, para já voltei à firmware Original, para analisar as diferenças e essencialmente para ver as vantagens e desvantagens, pois usei pouco tempo.

    O Geral

    Fiquei logo desiludido pois o Facebook não me sincroniza os contactos com o telefone, tive este problema num firmware que instalei mas não esperava encontrar este problema num firmware de fabricante, pois este normalmente até promove o Facebook através do equipamento, dando a ideia que o equipamento é "amigável" com o Facebook, bem este firmware não é amigável com o Facebook. Não sei se terá a ver com o facto do Android ser 2.1. Re-instalei o Facebook e nunca obtive o pedido de tipo de sincronização, funcionabilidade que costuma perguntar logo depois do primeiro login! O Twitter sincronizou mas não totalmente, ou seja nada de contactos, o Linked-in e o Skype sincronizaram na boa e claro a conta Google também.
    O leque de aplicações que estão de origem satisfaz bem um utilizador comum. Para abranger maior satisfação existem aplicações repetidas falo do Gmail e E-mail o que não é grave, existe até quem ache uma mais valia ter duas aplicações de correio diferentes, mas o grave é não actualizarem!
    Então temos:
    • Um bloco de notas
    • Uma calculadora
    • Calendário
    • Camera de filmar e fotográfica
    • Um despertador
    • Suite Office: Documents To GO
    • Gmail e E-mail
    • Um explorador de ficheiros
    • Galeria 3D
    • Google Talk
    • Navegador web simples
    • Latitude
    • Locais
    • Maps
    • Marcador por voz
    • Gestor de Sms e mms (Mensagens)
    • Market
    • Leitor de música
    • Navigation
    • Optimus Wizi
    • Roadsync
    • RSS um agregador simples
    • Telefone
    • Vídeo
    • Youtube

    Barra de notificações
    Em todos os outros firmware que experimentei a barra de notificações é simples, esta parece-me customizada, pois inclui a barra de sistema que permite acedermos de forma simples e rápida às funcionabilidades que normalmente temos que ligar e desligar rápido, como o Wi-fi, o GPS, os dados da rede móvel e o Bluetooth
    Não sei se será uma característica da 2.1 mas nas posteriores que vi não tinham esta funcionabilidade. Por norma estava habituado a ver a barra de notificações simples, esta divisão entre sistema e notificações é prático e bem pensado. De vez em quando a barra salta não sei é problema do Go Launcher que instalei ou um errozito :)

    Aplicações extra
    A suite Office incluída é uma mais valia, as demo nem as mencionei :) mas podia vir com mais extras como um cronómetro, conversor de medidas, um pedometro! Assim alguns extras gratuitos que aliciem o uso para além do banal. Nada disso, muito básico mas funcional. Quanto a podermos instalar aplicações extra ficamos limitados à memória interna do telefone. A intervenção avançada é obrigatória para quem quer usar um número razoável de aplicações, ou seja, para um utilizador comum vai existir esta limitação, o numero de aplicações instaladas, independentemente do tamanho do cartão SD que comprar.

    Mensagens
    A utilização de mensagens Sms e MMS não é totalmente funcional, nunca consegui saber se realmente as mensagens chegaram ao destino ou se foram lidas! Funcionabilidade que um simples Nokia me dava sempre. Aqui estou com os relatórios activos mas a informação obtida é praticamente nula, muda-me um icon mas não dá informação significativa nenhuma. Nas MMS com a função activa teria acesso à informação que a MMS foi lida, nada disso, a opção existe mas não funciona.
    Tenho tido queixas de amigos que as mensagens que vão partidas em duas não chegam na totalidade! Ou seja as mensagens que pago, pois para a mesma rede não pago e não tenho tido este problema, são aquelas que maior risco têm de não chegar correctamente ao destino! Mas isto são problemas entre servidores de mensagens, penso eu. O equipamento não está capaz de fazer uso das mensagens de uma forma correcta, pois permite ligar e desligar a funcionabilidade de relatórios mas não disponibiliza de forma coerente esta informação. Nenhum firmware me deu correctamente esta funcionabilidade por isso, é apenas uma nota que considero negativa e ainda não consegui apurar se não será um problema com a operadora ou um problema nos Android. Outro cenário que encontrei é que recebo mensagens de um tal WAP Push  93 sempre com publicidade que não me serve de nada! Serviço que tinha activo desde Março do ano passado e só voltou com o firmware original. Significando que as configurações dos outros firmwares não estão optimizadas para a rede Optimus.

    Root! Teve que ser :)
    Ainda não instalei todo o conjunto de aplicações que estou habituado e a memória interna do telefone está a ficar reduzida! Este problema da falta de memória é outro que acho ridículo, pois com o telefone neste comportamento, corremos o risco de perder mensagens, mesmo que ainda tenhamos 20Mb na memória interna do telefone, que daria perfeitamente para receber mais de 2000 sms na boa, corremos o risco de perder uma simples sms pelo facto de estarmos sem memória!! Ridículo!
    Agora já como root, removi o junkware do fabricante, estive a estudar a maneira mais simples de voltar a ter as apps que tinha no cartão e voilá, aplicações de volta num app2sd martelo :) Fiquei na mesma sem memória interna no telefone porque o dalvik-cache é enorme com muitas aplicações, assim tive que mover o dalvik-cache também para o cartão SD.
    Estou com o Market antigo e algumas das aplicações não aparecem, provavelmente não são suportadas! Outras como estão presas na área de sistema não fazem actualização! Estou com o Gmail e o Youtube antigos e não atualizam! E dá-me ideia que nenhuma Google App atualiza, estão imbutidas no sistema!
    O multi-tasking no Market com várias aplicações a fazer download está com bom comportamento pois já tive firmwares que com mais de duas transferências a taxa de sucesso era reduzida, normalmente fazia só de uma e dava erro nas outras. E a nível geral o sistema está com boa resposta. Mesmo depois de ter as aplicações todas a funcionar são mais de 50 e sem problemas. Claro que para um utilizador comum talvez seja um exagero ter tantas aplicações, mas eu ando sempre a experimentar, por isso para mim é normal.
    Flash nem pensar nisso, só com 2.2 para cima, por isso nem me preocupei muito em procurar alternativas. Isto pelo que pesquisei, pois já tive flash a funcionar com uma 2.2 e com uma 2.3 mas sempre parcialmente, nunca consegui video stream estável, pendurava na maioria das vezes. Para 2.1 não conheço nenhum pacote de instalação disponível por nenhuma via, se souber e quiser partilhar :)

    A Bateria
    Bem este é um factor chave, mas num smartphone onde instalamos sempre aplicações para tudo que necessitamos e algo mais, temos a carga da bateria muito dependente da utilização que fazemos e cuidado que temos em desligarmos funcionabilidades que não estamos a precisar. O equipamento praticamente sem grande utilização conseguiu estar ligado quase 48h mas não chegou aos dois dias. A utilização do GPS com o Google Maps e Wi-fi gastou a bateria em menos de 2h! A fazer uso para ouvir música a bateria durou cerca de 8 horas.

    Conclusão
    Depois de quase duas semanas de utilização estou satisfeito com os testes efectuados. Sabendo das limitações, até não posso considerar o firmware muito mau. Senão repare: o Wi-fi funciona bem, as aplicações básicas estão presentes e a funcionar bem. Existe o contra para o utilizador comum que não consegue instalar muitas aplicações, isso será tema para outro artigo, pois existe maneira de contornar o problema. Não tem flash, nem é amigável com o Facebook. A bateria dura-me o dia, já tive uma firmware com melhores resultados.
    Dúvido que a Optimus conseguisse trazer grandes alterações a uma actualização nova para 2.2 ou 2.3, mesmo assim ficava bem lançar uma 2.2 amigável com Facebook, mas também existe interesse em vender novos equipamentos, e na realidade suporte para este, já deram. Deram uma actualização, pois muitos Boston vieram com a 1.6 e a passagem para a 2.1 trouxe de facto melhorias significativas, praticamente obrigatória. Agora era uma actualização por simpatia, mostrava preocupação pelo cliente. E muita gente ficaria satisfeita. Suporte com Flash duvido que incluíssem, mas a possibilidade de sincronizar com o Facebook e dar um pouco de visão de sistema novo, ficava bem aos olhos dos clientes. Deve haver ai muita gente com firmwares todos marados, que agradeciam uma actualização oficial.

    Difícil classificar!
    Estive um pouco indeciso entre os 3,5 e os 4 Valores está estável e funcional, mas nota-se pouca preocupação em satisfazer o cliente pois podia vir com algumas aplicações extra úteis, mas não, vem com 3 jogos demo que não servem para nada. Mesmo a dizer: bem não sabemos o que incluir, mete uns joguitos :) Não ser amigável com o Facebook é uma falha grave, pois perde-se toda a lista de contactos do FB. Eu por exemplo perdi alguns telefones e emails que só tinha através do Facebook :(
    Mas não vai ser por isso que vou descer para 3,5 valores, não dou 4  porque o Boston merecia uma 2.2 a funcionar bem, não dou 4,5 pela anterior e por não estar o Facebook a funcionar e 5 por não ter além disso flash, mas isso seria pedir demais por um equipamento barato como o Boston, não quer dizer que não seja capaz e possível.
    Tenho o LED como lanterna a funcionar bem, funcionabilidade muito requisitada e que não funciona em alguns firmwares que testei, muito útil.
    A bateria, bem já vi melhores resultados mas também piores!!!
    Se o Facebook não é importante para si é um firmware que recomendo, apenas precisa de uns ajustes, mas isso será tema para mais um artigo. É credível.
    Visto pelo gráfico até parece indesejável, mas os números enganam pois já tive melhor gráfico com outros firmware e depois na realidade o telemóvel é instável e está sempre com cenários estranhos. Com este firmware não tive até à data problemas apenas alguns crashs na aplicação de mensagens pois não estou com os dados ligados e ela aí tem um comportamento indesejado de quando a quando. Nada de grave.
    Tenho mais de 50 aplicações instaladas, um gestor de ecrãs diferente e tudo está a funcionar bastante bem, sendo Root ou não. O telefone ainda não acusou lentidão, venho de uma 2.3 que testei e em velocidade de resposta, ui! Que diferença! Esta voa! :)
    Se é aventureiro não tem mal nenhum em andar a experimentar firmwares. E com certeza que não vai ficar satisfeito com este firmware. Penso que um 2,2 será boa opção, pois os 2.3 que testei são muito pesados. Mas estou sempre à procura. Quer Recomendar algum? Deixe um comentário.

    Classificação 3,5:






    sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

    Análise a SD Tools, uma forma de descobrir a velocidade do nosso cartão SD

    Sem comentários
    SD Tools é uma ferramenta simples que nos permite obter informações do nosso cartão SD, como o numero de série, a data de fabrico, entre outras. Permite também fazer testes de leitura e escrita possibilitando-nos saber as velocidades que o nosso cartão está a trabalhar normalmente.
    São curiosidades, mas se desejar fazer app2sd (aplicações para o cartão) convém saber se o cartão vale a pena, ou se não será melhor comprar outro.
    Já testei com vários firmwares, funcionou sempre bem os resultados é que variam um pouco.
    Dou 5 estrelas.
    No Mercado:
    SD Tools