Omninvi :: Invii demanda sapientia

Um doidivanas mostra o seu saber por intermédio das palavras e um pouco da imagem. Poemas, opiniões, revisões. Uma mistura de sociedade e tecnologia. Com temáticas conforme me vou lembrando de escrever.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

A busca pela PAZ

1 comentário

A loucura dos cegos religiosos,

leva-os a ofuscar a verdade!

Usam meios penosos,

criando medo em vez de felicidade.



O caminho da paz,

não tem religião.

O que a cegueira nos traz,

temos que dizer não.



No caminho da paz,

só fala a verdade.

No caminho da fé

só se encontra falsidade.



No caminho da paz,

segue-se a veracidade,

o que o político nos traz,

a falacia da verdade.



E se a verdade omitem,

vive-se a mentira.

Guerras permitem,

e há quem ache cena gira!



A mente só vê verdade,

mas andamos iludidos

pois para a falsidade,

termos foram construídos.



Palavras manhosas,

Palavras maliciosas,

Iludem a mente,

Para seres mais um crente.



23.01.2009 Philo

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

A paixão

1 comentário

E num estado equivalente ao de alguém que não vê solução para melhorar a condição humana. Alguém cujas condicionantes nunca tinham sido um problema, que sempre se adaptou.

Alguém que se fechou.

Como alguém que está no seu barco solitário se atira para o mar e vai sendo levado para as profundezas do oceano.


E o corpo morre, mas fica energia numa pedra, uma pedra com coração bem nas profundezas de algo, onde para um lado um abismo escuro e para cima uma pequena luz.


E num pequeno oasis, sai de uma gruta uma amiga a chorar, dirige-se para o lago, e vê suas lágrimas caírem no seu reflexo na água. E chora, como está triste esta amiga.

As lágrimas transportavam a energia do sofrimento, passam o limite da profundidade do lago e caem sobre a luz mesmo em cima da pedra que estava de coração fechado mas em paz, recebe com as lágrimas de sofrimento e desperta! Como pode haver tanto sofrimento! Depois das lágrimas derramadas, a amiga vagueia pelo oasis estando sempre uma tartaruga a observar. Até que ela se vá embora pela gruta.


A pedra com coração recebeu as lágrimas, o que contribuiu para aparecer algo de diferente, o que era meio lilás, passou a ter azul, com uns pirilampos que nadavam em função do temperamento do coração da pedra.

E certo dia a menina sai da gruta e nas suas lágrimas para o lago, deseja alguém que a entenda.

E a pedra ao receber tais lágrimas projecta-se para cima cheia de energia, uma afirmação, estou aqui para ti.


E a amiga a olhar o lago já não vi-a o reflexo dela mas sim de alguém! Está alguém do outro lado! E olha para trás pensando que não estava sozinha e não está ninguém. E olha para o lago novamente e vê-se acompanhada por alguém. Agora ouve uma voz.


Olá amiga. - disse. A amiga muito assustada diz: - Olá.

Quem és tu? - pergunta assustada.

Eu sou quem procuras, quem pediste, eu sofro por ti se quiseres, desde que tu fiques bem eu aguento tudo, não quero é ver-te chorar.

Tu desejas-te, eu apareci.


E o entendimento foi absoluto, os desejos foram todos preenchidos.

Uma vez nadaram do lago até a uma cascata, e ficaram de pé a sentirem-se um ao outro, sem penetração normal, eram os dedos dele e a mão dela que apreciavam os sexos. Tudo pelo tacto.

De outra vez foi um experimentar de posições, umas com pujança outras mais suaves.


A paixão começava a cegar, então o amigo pergunta à amiga:

- Ainda não entendes a paixão?

Vens aqui procurar entendimento, harmonia e no fundo só satisfazes os teus desejos. E não tarda apareces insatisfeita.

Ainda não entendeste o ciclo?

Sim a paixã é como uma flor.

O amigo sorri e diz:

Sim, e o desejo entendeste?

A menina responde:

É também como uma flor.

E o amigo pede para ela não comparar, para definir o ciclo.

Ela diz que não consegue.

E o amigo diz:

O desejo é um mero ciclo entre a satisfação e a insatisfação e nunca se está satisfeito.


A tartaruga não tem visto a menina.

E em redor da pedra os pirilampos dançam em harmonia.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

A mudança

2 comentários
Este blog foi criado na primavera, mas essa flor já morreu.

Agora este blog renasceu.

Porquê o castanho?

Simboliza o outono, o início da mudança, e é disso que estou à espera, da mudança de consciência, de mentalidade.


A anémona-do-Japão é uma flor que nasce no outono, enquanto muitas morrem.

São duas porque são dois renasceres, um no outono outro no inverno.

A água é vida, e eu sou paz.




O inverno está representado com o céu, um céu de inverno que fotografei.


E assim renasce um blog, que tinha castanho, mas não tinha significado, que nasceu em março, na primavera, e foi no acentar de idéias do inverno, que este blog ganhou significado. O philo despertou outra vez mas desta vez mais consciente, tanto dos erros que anda a cometer como dos que anda a mostrar.

As datas do blog não estão bem e quando resolver alterar isso, tanto em artigos já publicados como em artigos por publicar, as datas podem influenciar os feeds. Por isso recomendo a inscrição no grupo philoskan, pois aí independentemente da data o amigo leitor será notificado. Claro que pode não se inscrever e ir lendo os artigos, que ficarão perdidos, por acaso.


Fica também aqui a nota que se um artigo tem palavras entre (app), significa que existe um artigo para publicar mas ainda não foi publicado.



08-09-2010 Mudança Novamente






 Este era o modelo, que falava em cima, mas agora já mudei para laranja, energia positiva, onde cada bola representa um acaso isolado.

 Este modelo actual foi pouco mexido, apenas tirei a barra de blogger, mantive o rodapé com o autor original e estou a simplificar e criar ligações entre os artigos de forma a tornar o blog ainda mais navegável. Não foi bem no autono, mas foi quase que o blog, teve outro renascer.









.

Saudações joviais para todos os amigos leitores.



Até por acaso,



Philo Philos Pachem

sábado, 3 de janeiro de 2009

Viver em harmonia

Sem comentários

Colados com tecnologia,

no som a euforia.

Mas uma tristeza,

a maldita da incerteza.

Vida corre a cada momento,

mas são malditos os pensamentos.

Dinheiro ! Mulheres.

Que mais queres?

Paz e serenidade,

busca pela verdade.

E eterno será o teu ser,

que ganhou um novo viver.



philos 06-11-2007